E-mail: blogdofoguinho@hotmail.com

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Sine de Chapadinha oferece Vagas de emprego. veja !

 


        A Agência do Trabalho -SINE, comunica que encontra-se aberta as vagas para Armador, Auxiliar de Armador, Servente e Soldador de Armação.
        Na oportunidade informamos ainda, que para concorrer as vagas é necessário preencher os seguintes requisitos:

  • Ter experiência miníma de 06 meses na carteira de trabalho;
  • Ter cadastro no SINE, ou fazer o mesmo.
       
        Maiores informações, na Rua Benjamim Ferreira, 520- Centro ou pelo telefone (98) 3471-2639. 




                                                                     Atenciosamente;

                                                                        Zezinho Lima
                                                      Secretário Municipal do Trabalho e Renda
                                                      Coordenador do SINE em Chapadinha-MA

Portal G1 da emissora Globo destaca caso da morte do Bêbê em Chapadinha veja!

13/01/2012 15h56 - Atualizado em 13/01/2012 15h56

Morte de bebê durante parto



revolta 



família no Maranhão


Avó reclama que criança teve cabeça decepada e não recebeu explicações.
Bebê chegou morto ao hospital e procedimento salvou a mãe, diz médico.

Tahiane StocheroDo G1, em São Paulo
necroterio (Foto: Enedilson Oliveira dos Santos/Divulgação)Familiares se reúnem em frente ao necrotério do
hospital onde bebê morreu no Maranhão
(Foto: Enedilson Oliveira dos Santos/Divulgação)
Familiares de Maria Concebida de Jesus, de 30 anos, estão revoltados com a morte do terceiro filho dela, que foi entregue aos pais, logo após o parto, em uma caixa de sapatos, disse a avó, Osmarina de Jesus.

Segundo ela, o bebê foi “decepado” pelo obstetra Sergio Souza Barbosa, que fez o parto no Hospital das Clínicas em Chapadinha, cidade de pouco mais de 70 mil habitantes.

Barbosa afirmou ao G1 que teve que fazer o procedimento de cortar o pescoço do bebê porque o corpo da criança estava preso, com parte das pernas para o lado de fora da pélvis e a cabeça ainda dentro do útero.  “O bebê chegou ao hospital morto. Eu tive que fazer uma cesárea e cortar a cabeça para poder tirar o bebê e conseguir salvar a mãe”, disse ele.

A avó diz não ter recebido explicações do hospital e do obstetra sobre o caso. “Estávamos  esperando com um berço e o médico me chama para dizer que havia tentado salvar a criança, mas não conseguiu. Me entrega o bebê em uma caixa de sapato, com o pescoço enfaixado", reclama. Ela contou que, ao mostrar o bebê morto para parentes e amigos, perceberam sangue no corpo e resolveram tirar a faixa. "Foi neste momento que vimos que o pescoço havia sido decepado", lembra.

“O bebê não tinha condições de sair por parto normal, estava em posição sentada e isso já era constatado pelo ultrassom. O médico devia ter feito uma cesárea e resolveu fazer parto normal. Tentou puxar a criança pelo pescoço e ela não saiu e acabou dando nisso”, disse Osmarina. “Eu estava esperando o bebê com fraldas, e não com um caixão”, acrescentou a mãe do bebê, Maria Concebida.
necroterio MA (Foto: Enedilson Oliveira dos Santos/Divulgação)Familiares retiram corpo de bebê no necrotério
(Foto: Enedilson Oliveira dos Santos/Divulgação)
Versão do médico
O médico Barbosa disse que a gestante tinha cesárea prevista para ser realizada nesta sexta-feira (13), mas chegou ao hospital em trabalho de parto por volta das 16h de quinta-feira (12) e que o parto normal foi necessário porque “a criança já estava com as pernas e parte do quadril para o lado de fora, e com a cabeça presa na vagina".

"Chamamos isso na medicina de cabeça derradeira. Eu tentei fazer manobras para liberar a cabeça, mas estava presa. Como o bebê não tinha batimentos, estava morto, busquei salvar a mãe.”

“Eu tinha que tomar uma atitude. Se não, a mãe poderia morrer. Tive que abrir, fazer a cesárea e cortar o bebê, tirando a cabeça pela barriga. Expliquei para a mãe e a avó, mas elas acham isso algo fantasmagórico. Deviam estar me vangloriando por salvar a vida dela (da mãe)”, afirmou Barbosa.

A secretária municipal de Saúde de Chapadinha, Maria Jose Pereira Coutinho, disse acreditar que o médico agiu de forma correta, mas instaurou um procedimento para apurar o que ocorreu e acionou o Conselho Regional de Medicina. O corpo foi levado para perícia no Instituto Médico Legal (IML) e a família registrou um boletim de ocorrência sobre o caso.

Procedimento para salvar a mãe
A pedido do G1, o ginecologista e obstetra José Bento de Souza analisou o caso. Ele afirma que a primeira coisa que o médico deve tentar em casos de “cabeça derradeira”, quando a cabeça do bebê fica presa, é tentar aumentar a dilação e expelir a cabeça por baixo. Já quando o bebê está morto, como o médio Barbosa relatou que ocorreu no Maranhão, o objetivo é salvar a vida da mãe, pois, caso o parto demore, há risco de infecções ou hemorragia.

“Se o bebê está morto e a cabeça presa, existe a possibilidade de, com uso de instrumentos, esvaziar a cabeça e fazê-la sair por baixo. Mas, se ele não tinha instrumentos, a prática feita pelo médico, pelo que foi descrito, está correta, este procedimento de decepar a criança existe”, explicou Bento. “Ele fez o que podia para salvar a mãe. A família está julgando-o por ter decepado a criança, mas deviam tê-lo louvado por salvar a mulher”, afirmou.
G1
https://www.facebook.com/pages/Blog-do-Foguinho/217621605048826?ref=hl