E-mail: blogdofoguinho@hotmail.com Fone: (098) 99147-3880

domingo, 19 de junho de 2016

Juíz de Buriti decreta prisão do delegado de Polícia Civil Sergio Rêgo, que atuou na cidade entre 2013-2015.

O delegado, que estava lotado em Araioses, foi preso por supostas irregularidades cometidas em Buriti/MA. Em diálogo EXCLUSIVO com o Correio Buritiense, neste sábado (18), ele questionou a decisão, dizendo que “nunca viu, juridicamente, nada igual”, em referência aos fatos que o levaram à prisão.


O delegado da Polícia Civil do Maranhão, Sergio Luís Rêgo Damasceno, que atuou em Buriti/MA nos anos de 2013 a 2015, foi preso na última quinta-feira (16), próximo à cidade de Araioses, a 205 km daqui, em cumprimento a um mandado de prisão preventiva decretada pelo novo juiz da Comarca, Dr. José Filho. As acusações são de que Sérgio Rego teria praticado atos irregulares em sua passagem no comando da Polícia na cidade de Buriti.

O delegado foi levado para Decop (Delegacia da Cidade Operária), em São Luís, onde policiais são guardados quando estão cumprindo prisão.
Sérgio Rego já foi alvo de pelo menos duas outras ações criminais, em 2011 e 2014, porém ele reverteu as decisões em instâncias superiores.
Nos autos, o Juiz e o Promotor de Buriti/MA alegam que o delegado teria prestado informações falsas à Justiça sobre a apreensão de uma moto realizada em residência de um morador do município.
 Devido à inoperância momentânea do sistema eletrônico da Justiça (Data Center do TJMA está em atualização), o Correio Buritiense ainda não teve acesso à decisão integral do juiz.

O outro lado
Correio Buritiense conversou, com EXCLUSIVIDADE, na manhã deste sábado (18) com o Delegado preso e ele se disse “injustiçado” e criticou o despacho do juiz de Buriti Dr José Filho, dizendo que “nunca viu, juridicamente, nada igual” à decisão que o levou à prisão.

Sérgio Rego relatou ao Correio Buritiense (também consta em seu depoimento, que o blog teve acesso, à Superintendência Estadual de Prevenção e Combate Corrupção-Seccor) que fez dois inquéritos contra individuo Antônio Lima da Conceição, conhecido como “Boca de sacola”, um por porte ilegal de arma e outro por receptação de motos, e que, cumprindo ordem judicial, realizou busca e apreensão e teria achado 12 motos na residência de “Boca de Sacola” e que uma delas teria irregularidades de raspagem de numeração do motor.

Porém, a encrenca se deu porque Antônio da Conceição, segundo o delegado, o acusara à Justiça de querer ficar com a citada moto. O delegado Sérgio Rego nega a denúncia e afirmou nunca ter utilizado a moto para fins particulares e disse acreditar que ela ainda esteja na Depol de Buriti/MA. 

Ao Correio Buritiense, Sérgio Rego afirmou ainda que “é a vítima” disso tudo e que quem deveria está preso era aquele o acusa.  

Do Correio Buritienses.

Prefeituras de Santa-Quitéria, Tutóia e Araioses dão calote em Conta de Luz.

Em reportagem deste sábado (18) do JN, são citadas as prefeituras de Santa Quitéria, Araioses, Tutóia, Cedral e São João do Paraíso.  As cidades que não ficaram no escuro estão funcionando na base da liminar na justiça.

Prefeituras de várias cidades do Maranhão deram o calote na conta de luz. As que não ficaram no escuro estão funcionando na base da liminar na Justiça.

Em Santa Quitéria do Maranhão, a prefeitura, há dez meses, nem tem mais o relógio medidor. A energia chega por esse fio que vai dar neste gerador - improviso que funciona o dia inteiro. Um jeitinho que a prefeitura encontrou pra não ficar sem energia por causa da conta atrasada. A dívida está em mais de meio milhão de reais. O gasto mensal com o gerador passa de R$ 6 mil.

A Prefeitura e a Secretaria de Educação da cidade de Araioses, a 205 km daqui, também funcionam na base do gerador.

Em Tutóia, a 196 km de Buriti/MA, a prefeitura também teve a energia suspensa. Encontramos o chefe de gabinete atendendo no escuro.

O secretário adjunto de administração disse não estar muito preocupado com a situação. Com dívida que ultrapassa R$ 1 milhão, a prefeitura tem alugado prédios particulares para manter algumas secretarias funcionando. A de financias se instalou numa quitinete.

Em São João do Paraíso, a 738 km de Buriti/MA, pelo menos sete órgãos públicos se mudaram para imóveis particulares por causa da dívida com a energia, que está perto de R$ 2 milhões.
A prefeitura de Cedral, distante 565 km de Buriti/MA, passa o dia todo fechada. É que a energia está cortada há mais de um ano por falta de pagamento. O gabinete do prefeito foi improvisado em uma salinha ao lado, onde funcionava uma farmácia pública.

O lugar também está com a conta atrasada, mas a prefeitura conseguiu o religamento na Justiça, alegando que tem medicamentos armazenados.

A Secretaria de Saúde também ficou sem luz e se mudou para o laboratório da cidade, que só tem energia por conta da mesma liminar. E a Secretaria de Educação, sem energia, se mudou para uma escola.

Ao todo, o município deve R$ 8 milhões à companhia elétrica.
Para a empresa que distribui energia no Maranhão, o custo do calote acaba repassado para os outros consumidores.

"É um custo de gerar, transmitir e distribuir e operar esse sistema. Se há inadimplência compromete toda essa cadeia."

VEJA A REPORTAGEM DO JORNAL NACIONAL ABAIXO

*Informações do G1
https://www.facebook.com/pages/Blog-do-Foguinho/217621605048826?ref=hl